sábado, 14 de maio de 2011

Dia das Mães...

Fui deitar mais cedo que de costume.
Eram oito da noite e já estava deitada.
Entrei pro quarto e fechei a porta e pronto, ninguém veio incomodar e isso é que importa.
Você fica feliz quando não consigo me reerguer. E quando começo a caminhar gosta de atirar pedras, se não tiver pedras por perto você põe o pé mesmo, só pra me ver tropeçar.
Vive dizendo que me apoia, que me ama, que sempre vai me estender a mão, que ficaria feliz quando eu estivesse, que me ajudaria quando eu precisasse, que gosta da verdade e mais uma infinidade de coisas...
Confesso que se você tivesse conseguido fazer ao menos uma coisa das que falou eu seria mais feliz.
Outro dia lá no meu trabalho, uma das funcionárias teria que fazer um treinamento em outro estado. A empresa estava dando tudo a ela, hospedagem, passagem, alimentação, táxi, só faltou um trocado para comprar lembrancinha. Ela então, olha a data da viagem e descobri que passaria o " Dia das Mães" na tal viagem.
Nossa! Parecia que tinham dado a ela o próprio atestado de óbito.
Me surpreendi com a reação dela. Ela queria até mudar a data do treinamento... rs...
Você deve está se perguntando o que isso tem haver com texto. Mas isso tem um haver que só eu sei.

Um comentário:

Lindsay disse...

Oi menininha! Escrever é bom. Faz com que a gente alivie as aflições da alma! Um beijao